Compartilhe
facebook twitter gplus mail

Island chic no Índico

27/02/2019

Por Juliana A. Saad*. Especial para a The Traveller

Prepare-se para ver cenas de beleza explícita em Mauritius, uma das mais desejadas ilhas do Oceano Índico. No sudeste da África, cingida por formações rochosas, bancos de areia, recifes de corais, coqueiros, plantações de chá e cana-de-açúcar, ela ainda é cercada por uma exuberante floresta tropical e pontuada por uma coleção de hotéis e resorts de luxo que redefinem o conceito island-chic.

Destino quente e certeiro para casais, grupos de amigos e famílias que apreciam lugares onde o relax impera e a monotonia passa longe, sua diversidade é fruto da mistura das culturas indiana, africana e europeia – predominantemente francesa, somada às influências inglesa e holandesa – com toques chineses. Isso deixa tudo mais interessante nesse mosaico cultural onde o créole morisyen, o francês e o inglês são os idiomas correntes e a gastronomia é um desafio aos prazeres da gula, com peixes e frutos do mar fresquíssimos preparados à perfeição – com savoir-faire local, influências europeias e temperos orientais – formando um prazeroso caldeirão de infinitos sabores. Sabe aquele clima de luxo pé na areia, aventura e sensação de bem-estar combinados em um só destino? São praias branquíssimas, banhadas por águas com incontáveis tons de azul, que fazem a ilha justificar com sobras o clichê: é um cartão-postal do paraíso. 

Em Mauritius, reina o clima de luxo pé na areia, aventura e sensação de bem-estar combinados

EXPERIÊNCIAS
A cor do mar em Mauritius é tão absurda que parece filtrada, mas é real. As areias brancas são pontuadas por cabaninhas – as palapas, típicas construções ao ar livre – com teto pontudo, feitas de palha seca e madeira de palma. As águas mornas do Oceano Índico cercadas por recifes de coral fazem da ilha o lugar ideal para todos os tipos de esportes aquáticos – surfe, caiaque, vela, kitesurf, mergulho livre e com snorkel, pesca... you name it, they've got it. As excursões aquáticas em submarinos e barcos com paredes de vidro fazem o maior sucesso. Agora, realmente imperdível é acordar de manhãzinha e embarcar em um catamarã para procurar golfinhos – chamados de dolswim – e nadar com eles em alto-mar, com direito a mergulhos em piscinas naturais e piqueniques al mare.

Prefere uma tacinha ao pôr do sol? Zarpe no iate privativo do Royal Palm Beachcomber Luxury Hotel e rasgue as águas azuis avistando as montanhas na margem e as rochas que emergem do mar, sob um céu que se desdobra em mil tons de dourado. Os passeios de barco – seja qual for a sua escolha – são must do total: possibilitam que você explore o litoral e admire a geografia, com seus picos que ultrapassam 800 metros, e os recifes de coral, que formam lagoas e entregam a origem vulcânica da ilha. A pequena capital, Port Louis, fundada em 1735 pelos franceses, proporciona uma experiência genuína da vida multicultural mauriciana, sobretudo no mercado local, indispensável para comprar itens de palha e de madrepérola, corais, temperos ou a pura baunilha entre bancas de verdura e minúsculos balcões com quitutes chineses e indianos, onde você provará delicadas shingaras, samosas e doces gujiyas enquanto sorve um lassi ou chai (sentiu a influência?). Perto do mercado, o lado mais contemporâneo da cidade se exibe no Caudan Waterfront Centre, um shopping na marina que tem lojas e restaurantes animados.

 Ali também fica o Blue Penny Museum, com uma coleção de mapas antigos, selos e maquetes de barcos e navios que contam a história da ilha. Suba até o Forte Adelaide, erguido no século 18 pelos ingleses para se protegerem dos franceses – ele paira sobre o porto e propicia uma vista abrangente da capital. Melhor que descrever é mesmo ver tudo do alto em um passeio de helicóptero (meia hora ou uma hora para vislumbrar a ilha inteira): as cores tropicais do mar azul, o interior verde e as vilas se unem aos picos das montanhas e dos campos cultivados e criam imagens inesquecíveis. Uma vez no solo, certamente embriagado pela beleza de Mauritius, é hora de estender o prazer com uma visita à Bois Chéri para conhecer o processo de produção do chá famoso na ilha e provar os vários tipos enquanto seu olhar se esparrama pelas plantações.

Em seguida, rume para a Rhumerie Chamarel – a destilaria fica em um grande parque ajardinado e é literalmente inebriante, principalmente após a degustação do rum artesanal, chamado de agrícola e produzido à base do suco cozido da cana (e não do melaço). Depois, passe na ótima lojinha e arremate algumas garrafas do Chamarel XO 6 anos, envelhecido em barris de carvalho francês. Vale muito explorar o Vallée des Couleurs, um parque no sudoeste da ilha com trilhas, cachoeiras e passeios em triciclos (quad biking) e tirolesa. Ali também é possível observar as dunas em tonalidades coloridas (originadas do basalto vulcânico e de óxidos de ferro) e ver tartarugas gigantes. 

As areias brancas são pontuadas por cabaninhas – as palapas, típicas construções ao ar livre – com teto pontudo, feitas de palha seca e madeira de palma.

Quando ir
A ilha é ótima o ano todo, mas de novembro a abril o clima é ainda melhor para mergulhos

 

Onde ficar

Royal Palm Beachcomber Luxury
O luxo contemporâneo em forma de überconforto dita o tom dos apartamentos e suítes com sacadas e pátios privativos com vista para os jardins e o mar. Venezianas filtram a luz do sol, criando uma composição harmônica de claro e escuro nos ladrilhos que matizam a decoração com cores neutras: azul-claro, bege, mel, off white e branco. O spa é um capítulo à parte, com arquitetura tropical, piscina, lounges e tratamentos com produtos Clarins. Fica ao norte de Mauritius, em Grand Baie, uma baía protegida e bem perto de uma das áreas mais hype da ilha por seu entretenimento, boutiques e mercadinhos e diversão para compras après soleil.

Dinarobin Beachcomber Golf Resort & Spa
Localizado na costa mais cênica de Mauritius, na ponta de uma península privê no sudoeste da ilha, com a espetacular montanha Le Morne Brabant como pano de fundo e cercado de piscinas, cascatas e jardins tropicais e praias que se estendem ao longo de todo o resort, o Dinarobin Beachcomber dispõe de luxuosas villas, um superspa, cinco restaurantes e bares em palapas ao longo da praia. Tudo isso ao lado de um dos maiores e melhores campos de golfe da ilha. Não perca o happy hour na praia regado  a rhum punch e sincopado pela sega: insinuante e hipnótica, a dança é um show à parte.

0 Comentário