Compartilhe
facebook twitter gplus mail

África do Sul: safári para iniciantes

02/02/2018
Na África do Sul não é difícil ver os big five, os animais mais temidos do continente africano
Entre a pausa de um safári e outro, nada melhor que aproveitar a piscina do lodge. Foto: Dulini Lodge

Quem se programa para viver a primeira experiência de safári não se decepciona com a África do Sul. O país é dono de uma vida selvagem extraordinária, e dificilmente você deixará o país sem ver os big five - o rinoceronte, o elefante, o leão, o búfalo e o leopardo, considerados os animais mais temidos da África. Mas como funciona exatamente um safári? Fizemos um guia básico para tirar todas as dúvidas de quem vai se aventurar pelas savanas sul-africanas pela primeira vez. Confira! 

 

O safári

Os safáris são conduzidos por dois especialistas que são apaixonados pelo que fazem e conhecem a savana como ninguém. O tracker localiza os animais. Ele rastreia pegadas, consegue calcular há quanto tempo o bicho passou por ali e parece ter olhos de águia, visualizado animais camuflados mesmo à distância. O ranger conduz o jipe e freia o veículo a cada animal apontado pelo colega. O ranger, então, compartilha com os viajantes todas as curiosidades e hábitos de cada animal. É praticamente uma aula, principalmente para as crianças. 

As expectativas de ver vários animais (principalmente todos os big five) é enorme, mas é bacana ter em mente que quantidade não é qualidade. Dependendo da época, a vegetação dificulta a visibilidade dos animais, e as condições climáticas, como um período de seca, por exemplo, torna a procura um pouco mais longa, já que os bichos se deslocam para regiões mais distantes em busca de água. Mesmo assim, rangers e trackers farão o possível para encontrar e se aproximar ao máximo das feras. E não há emoção maior quando, silenciosamente, conseguimos fotografá-los bem perto.  
 

A rotina
Embora tudo seja regradinho, talvez essa seja uma das rotinas gostosas que você vivenciará em uma viagem. O dia começa bem cedo. Por volta das 5h30 os hóspedes devem encontrar os rangers para um breve café da manhã no lobby do lodge. Antes de sair, todos conversam sobre quais animais serão procurados naquele dia, de acordo com a condição climática ou o que foi visto no dia anterior. 

Em torno das 9h, os viajantes retornam ao lodge para um café da manhã reforçado. O almoço é servido entre às 12h e 14h. Esses intervalos livres são perfeitos para curtir o hotel e seus entornos. É provável que você depare com animais mais dóceis circulando livremente - não se espante se alguns surgirem na piscina para beber um golinho de água! Quem viaja com crianças pode deixá-las com os rangers, que promovem brincadeiras e ensinam  um pouco mais sobre a vida selvagem a elas. 

O segundo safári acontece no finalzinho da tarde e começo da noite. Esse é o período quando os bichos saem à caça e, não raro, você os verá se alimentando. O retorno ao lodge coincide com a hora do jantar, que termina entre às 22h e 23h. Os buttlers colocam os hóspedes para dormir cedo, afinal de contas, o próximo dia se aproxima e reserva novas emoções. 
 

Experiências especiais
Café da manhã e lanche em meio à savana 
Se bater aquela fome durante as três horas de safári, não se preocupe. Em algum momento, os rangers vão parar em um ponto isolado e, quando você menos esperar, será servido um lanche estilo piquenique. 

Boma dinner
Ao menos um dia de safári será encerrado com o tradicional boma dinner. Em uma área cercada ao lado do lodge, sob o céu estrelado da savana, e ao redor de uma fogueira é servido um típico churrasco africano, o braai. Durante o jantar, conversamos sobre os animais que vimos e todas as emoções vividas na expedição daquele dia. 


Dúvidas básicas
Qual a melhor época? 
É possível fazer safári na África do Sul em qualquer período do ano. Na época seca é mais fácil visualizar os bichos pois a vegetação está rasteira e, durante o inverno, com tudo verdinho, o visual é incrível para fotografar. 

Quantos dias? 
Para aproveitar o máximo, o ideal é fazer três dias de safári. Assim, você tem mais chances de ver os big five, além de outras espécies surpreendentes. 
 

Onde ficar
A hospedagem também é fundamental na experiência de safári. O Kruger Park é o parque nacional mais famoso na África do Sul em seu entorno encontram-se reservas com lodges espetaculares.

Dulini Private Game Reserve
Nas incríveis paisagens da reserva Sabi Sands, o Dulini Private Game Reserve conta com três lodges  – Dulini River, Dulini Leadwood e Dulini Lodge – que proporcionam vivências autênticas que unem sofisticação e contato com a vida selvagem em safáris emocionantes. Os rangers e trackers super experientes e uma equipe pra lá de acolhedora tornam a estadia ainda mais especial.  

Com personalidade própria e decoração individual, a privacidade é garantida com cada lodge mantendo poucas tendas, algumas com piscinas particulares, sempre integradas à natureza ao redor. Os lodges ainda contam com spa, biblioteca, inspirações gastronômicas internacionais e serviços totalmente personalizados para cada hóspede. 

Boma dinner, um jantar especial para encerrar um dia de safári. Foto: Dulini Lodge.
0 Comentário

Comentários com conteúdo impróprio e/ou spam poderão ser removidos.

Onde ficar em Kruger National Park